senadora Cristina Kirchner e seus filhos Máximo e Florencia Kirchner

O juiz Julián Ercolini indiciou hoje (14) a ex-presidente da Argentina e senadora Cristina Kirchner e seus filhos Máximo e Florencia Kirchner por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, em uma causa por supostas irregularidades com empresários da obra pública por meio da empresa familiar Hotesur.

O magistrado também processou Romina Mercado – sobrinha de Cristina – e o empresário construtor Lázaro Báez, já em prisão preventiva desde 2016 por outro caso, e ordenou contra todos eles embargos sobre quantias de até 800 milhões de pesos (US$ 32,02 milhões) para cada um.

Este é o quinto indiciamento judicial para a atual senadora, com o qual se busca saber se a família da ex-presidente recebeu pagamentos de empresários de obra pública por meio da contratação de quartos de um hotel administrado pela Hotesur, empresa com participação de Cristina e seus dois filhos.

O magistrado já interviu na companhia hoteleira no último mês de março, quando afirmou que tinha sido “uma das pessoas jurídicas por meio das quais a família Kirchner teria recebido periodicamente dinheiro obtido mediante a fraudação contra o Estado nacional”.

Em novembro de 2017, a ex-governante prestou depoimento por esta causa, negou todas as acusações e afirmou que a atividade da empresa familiar tinha sido plenamente legal; além de ter denunciado que sua situação judicial se devia a interesses do oficialismo.

O conhecido como “caso Hotesur” começou em novembro de 2014 por uma denúncia da então deputada nacional Margarita Stolbizer.

Cristina Kirchner também foi indiciada – e com uma ordem de detenção que não foi efetivada por ter privilégios parlamentares – pelo suposto acobertamento dos iranianos suspeitos de cometer um atentado contra uma associação judaica de Buenos Aires que deixou 85 mortos em 1994.

COMPARTILHE