Texto e fotos de Joedson Alves

Hoje dia 7 de outubro, 147.302.357 eleitores brasileiros poderão votar nos representantes políticos de sua escolha. Este ano, além de eleger o novo presidente da República, os brasileiros em dia com a Justiça Eleitoral vão escolher deputados federais, deputados estaduais ou distritais, dois senadores por estado e o governador de cada uma das 27 Unidades da Federação.

O número oficial de eleitores foi anunciado pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luiz Fux, durante a inauguração do Centro de Divulgação das Eleições (CDE).

De acordo com os dados divulgados, esses 147,3 milhões de eleitores estão distribuídos pelos 5.570 municípios do país, 71 localidades de 110 países no exterior, o quadro dos eleitores no exterior, em especial, teve elevação expressiva nos últimos quatro anos, saltando de 354.184 para 500.727 eleitores em 2018. O aumento – de 41,37% – é resultado de um esforço conjunto entre a Justiça Eleitoral e o Ministério das Relações Exteriores para facilitar o cadastro de brasileiros residentes em outros países, disse ministro Luiz Fux.

Pela primeira vez, eleitores transexuais e travestis terão seu nome social impresso no título de eleitor e no caderno de votação das Eleições 2018. Nome social é aquele que designa o nome pelo qual transexuais ou travestis são socialmente reconhecidos. A possibilidade da autoidentificação foi aprovada pelo Plenário do TSE no dia 1º de março deste ano (2018).

O Brasil passou por um tenso período na política nos últimos 2 anos. No dia 31 de agosto de 2016, a então presidente do Brasil, Dilma Rousseff (PT), foi afastada definitivamente do cargo, assim seu vice-presidente Michel Temer (PMDB) assumiu a Presidência.

Para tentar se fortalecer no governo, o presidente Temer promoveu uma série de reformas polêmicas tentando reativar a economia brasileira.

Todos os 13 candidatos têm em seu discurso a mudança imediata dos problemas que assolam o país.

Nesta proposta de matéria seis (06) brasileiros sem questioná-los em quem irão votar. Esses bravos brasileiros estarāo usando uma faixa alusiva à faixa presidencial e responderão à seguinte pergunta: “O que você espera do próximo governo?”.

BRA104 Brasília (Brasil),
Terezinha Viera de Santana, 49 anos, professora
Foto fechada 20/09/2018 – Serie Grafica 4/6 – 01/10/2018 – EFE/ Joédson Alves.

01 – Terezinha Viera de Santana, 49 anos, professora há 19 anos. “Acredito em educação de qualidade e espero que o próximo governante faça melhorias na educação, construindo mais escolas e creches, que apoie mais as crianças de rua e que melhore a carreira dos profissionais da educação.”

BRA100 Brasília (Brasil),
Sthefany Loranguês, 21 anos, transexual
Foto fechada 23/09/2018 – Serie Grafica 1/6 – 01/10/2018 – EFE/ Joédson Alves.

02 – Sthefany Loranguês, 21 anos, transexual, balconista. “Não peço por mim, mas pela minha classe, meu gênero. Quero mais respeito, mais opções de trabalho. Sem isso vários gays se prostituem e isso eu não quero. Quero que as pessoas não me vejam como uma pessoa qualquer e não (quero) ser agredida por ser transexual.”

BRA102 Brasília (Brasil),
Mirinju Yan Alves da Silva, 28 anos, índio Guarani.
Foto fechada 26/09/2018 – Serie Grafica 3/6 – 01/10/2018 – EFE/ Joédson Alves.

03 – Mirinju Yan Alves da Silva, 28 anos, índio Guarani. “Sinceramente eu não vou ficar sentado esperando, porque nossa obrigação pode não ser com o voto, só com o voto, nossa obrigação é espiritual. Não é obrigação, é nosso compromisso. Nós vamos continuar defendendo nossos povos, nossas culturas, a gente vai continuar defendendo a natureza, o equilíbrio natural da vida, a gente vai defender a água para que vocês também não morram de sede. A gente vai proteger tudo que for necessário, essa é nossa luta, nossa luta é uma defesa, é uma luta com o coração.”

BRA101 Brasília (Brasil),
Benedito Silvério de Souza, 64 anos, desempregado
Foto fechada 28/09/2018 – Serie Grafica 2/6 – 01/10/2018 – EFE/ Joédson Alves.

04 – Benedito Silvério de Souza, 64 anos, desempregado. “Espero que o próximo governante olhasse e nos desse mais oportunidade de trabalho para nós que já estamos nessa idade. (Quero) garantia de nossa aposentadoria porque eu nasci e fui criado na roça. Hoje eu estou enfrentando o sol, fazendo bico para poder viver, é muito triste, o governo só quer para ele. Estou há mais de 4 anos tentado aposentadoria e não sai e é de um salário mínimo, enquanto eles se aposentam com vários salários. Isso é uma burocracia imensa, é tamanha falta de consideração com o ser humano como eleitor e com os idosos, isso é muito triste.”

BRA100 Brasília (Brasil),
Hailton Valentim, 46 anos, borracheiro.
Foto fechada 28/09/2018 – Serie Grafica 6/6 – 01/10/2018 – EFE/ Joédson Alves.

05 – Hailton Valentim, 46 anos, borracheiro. “Não é só eu, todo mundo espera mais saúde, segurança, educação tá precária, é isso que eu espero. Pelo menos saúde e educação que é o básico para todos cidadãos. Imposto é o que não falta, o que temos mais no nosso meio é o imposto, até do pneu usado você paga imposto alto, para nós, pequenos empresários trabalhar seria bom uma redução de impostos.”

BRA100 Brasília (Brasil),
Joāo Camelo, 55 anos, marceneiro.
Foto fechada 28/09/2018 – Serie Grafica 5/6 – 01/10/2018 – EFE/ Joédson Alves.

06 – Joāo Camelo, 55 anos, marceneiro. “A gente vota na pessoa certa só que eles fazem a coisa errada, com isso a gente não tem a pessoa certa para votar. Que a próxima pessoa que entre faça a coisa certa principalmente para ajudar a população. No momento que a gente vota em alguém para fazer coisas boas para gente e não aparece, eu espero que melhore na segurança, saúde e educação que isso não está existindo em nosso país.”