Juiz Carlos Eduardo de Moraes Filho foi baleado no ombro — Foto: TJ-MT/Assessoria

Imagens do circuito interno de segurança do Fórum de Vila Rica, a 1.276 km de Cuiabá, gravaram o momento em que o juiz Carlos Eduardo de Moraes foge do gabinete dele após ser baleado por um investigado, na segunda-feira (1º). Domingos Barros de Sá, que efetuou os disparos, foi morto dentro do fórum.

O magistrado teve um ferimento no ombro esquerdo e foi levado para o Pronto Socorro do município e, depois, transferido para um hospital em Palmas (TO) para retirar o projétil.

Ele teve alta médica nesta terça-feira (2), mas permanece com o projétil alojado. Segundo o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), Ele deve retornar à comarca na quinta-feira (4).

No vídeo, é possível ver a movimentação no corredor que fica em frente a sala de audiência, onde o juiz estava.

No vídeo, um homem de camiseta verde sai correndo de dentro da sala de audiência. Uma mulher que trabalha como vigilante percebe a movimentação, vai até a porta e saca uma arma.

Um policial militar que estava no fórum para uma audiência com um ré preso também saca a arma e fica na porta.

Um promotor que estava na sala de audiência consegue escapar escorregando pelo chão.

Logo depois, o policial entra no gabinete e sai. A arma dele trava e, em seguida, ele pede a arma da vigia. O magistrado sai em seguida com a mão no peito e corre para tentar se esconder, enquanto o militar atira.

Segundo o TJMT, o tiro que atingiu o magistrado foi feito por Domingos Barros de Sá. Ele estavam em posse de um revólver calibre 22. Antes de disparar, ele e o juiz entraram em luta corporal.

Domingos era réu em uma ação por homicídio.

De acordo com a Polícia Civil, que passa a investigar o caso, ele entrou no fórum ao lado de seu advogado. Os dois foram em direção ao juiz e ao promotor para pedir que fosse marcado logo a data do julgamento de um processo, momento que o suspeito sacou uma arma de fogo e apontou na direção do juiz.

Em nota, o ministro Humberto Martins, corregedor Nacional de Justiça, lamentou o atentado contra o juiz e cobrou informações acerca das providências adotadas pelo presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargador Rui Ramos.

Em despacho, o corregedor nacional de Justiça encaminhou um ofício ao TJMT solicitando que todas as situações análogas e as providências que estão sendo adotadas sejam informadas à Corregedoria Nacional de Justiça.