O Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná (TJD-PR) confirmou o clássico entre Athletico x Coritiba, nesta quarta-feira, na Arena da Baixada, pela quarta rodada do Paranaense. Tudo sobre o jogo você encontra aqui.

O presidente do TJD-PR negou pedido de liminar da procuradoria da entidade e também do Coritiba, que questionava o descumprimento do Athletico em não vender ingressos e ter um setor visitante, além de não proibir entrada de pessoas com roupas alusivas ao Coritiba. O caso será julgado em sessão prevista para o dia 7 de fevereiro.

O clássico entre Athletico e Coritiba terá transmissão ao vivo no GloboEsporte.com. Para assistir ao vivo, basta estar logado. O Tempo Real inicia às 20h30, e a transmissão a partir das 21h.

A decisão do TJD-PR foi dada após um parecer da Federação Paranaense de Futebol (FPF), a pedido do presidente. A consulta questionava quais os procedimentos adotados pela entidade em caso de jogo com os portões fechados. A FPF também se posicionou informando que não há previsão no regulamento para W.O, portões fechados ou interdição da Baixada, como queria o Coritiba e a procuradoria.

Entenda o caso

A situação do jogo passou a ser indefinida desde que o TJD-PR determinou que o Athletico não aplique a política de torcida única. Acatando pedido da procuradoria do Tribunal e do Coritiba, o clube determinou que os ingressos para o time visitante começassem a ser vendidos a partir do meio dia da última terça. Também definiu que a Arena da Baixada tenha um setor de visitantes e que os torcedores não sejam proibidos de entrar com materiais alusivos ao Coritiba.

Mesmo com a decisão, o Athletico não iniciou a venda de ingressos específicas para a torcida visitante. Diante da negativa, a procuradoria e o Coritiba entraram com uma nova ação, dessa vez para que o Athletico sofresse sanções. A procuradoria pediu portões fechados, enquanto o Coritiba requereu o W.O do Athletico e suspensão do presidente do clube.

O Coritiba, em nota publicada em seu site oficial na tarde desta quarta-feira, repudiou a decisão do TJD-PR em manter o clássico e também criticou a postura do Athletico em relação ao espaço para visitante e a proibição dos torcedores usarem uniformes e cores do Coxa. O clube enfatizou que a medida “estimula todos os clubes a descumprirem as suas decisões”, além de destacar que “a partir de agora, disputa-se um campeonato sem justiça desportiva”.

O Athletico apenas se posicionou divulgando uma nota atribuída ao Ministério Público do Paraná. Na nota, os destaques eram de que o TJD-PR estava fora de suas atribuições ao questionar a relação do torcedor com o consumidor. Também afirma que a adoção de torcida única foi questionada duas vezes na Justiça Comum, mas sem sucesso.