Nos arredores da Superintendência da Polícia Federal (PF), houve protesto contra a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que completa um ano. No Centro da cidade, houve um ato em apoio à Operação Lava Jato e para cobrar dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) a manutenção da prisão de condenados em segunda instância.

O ato a favor do ex-presidente Lula, de acordo com a Polícia Militar (PM), reuniu três mil pessoas. Os organizadores contabilizaram 10 mil participantes.

A concentração começou no terminal de ônibus do bairro Boa Vista. De lá, os manifestantes seguiram até a Polícia Federal, onde Lula está preso.

Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo, e a presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, discursaram em frente à PF. Gleisi leu uma carta enviada por Lula.

Por causa da manifestação, houve bloqueio de ruas no entorno da PF.

O ex-presidente Lula está preso na sede da PF, em Curitiba, desde 7 de abril de 2018. Ele foi condenado a 12 anos um mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no caso do triplex do Guarujá, da Operação Lava Jato.

Manifestação em apoio à Lava Jato e cobrança a ministros do STF

Durante a tarde, manifestantes protestaram na Boca Maldita, no Centro de Curitiba, em defesa da operação Lava Jato e em favor da manutenção da prisão de condenados em segunda instância.

De acordo com a PM, 800 pessoas participaram do ato. Até a noite deste domingo, os organizadores não haviam divulgado o número de pessoas que estiveram na manifestação.