Os abrigos da Prefeitura atenderam 498 pessoas em situação de rua na noite desta terça-feira (16/7). Foi o maior número de acolhimento registrado desde o início do mês, quando começaram a ser registradas as menores temperaturas do ano na cidade e a Fundação de Ação Social (FAS) intensificou o trabalho de resgate nas ruas.

No dia 5, quando Curitiba registrou -1 grau, com sensação térmica de – 4 graus, 496 pessoas foram acolhidas pelo município. 

Sempre que a temperatura é igual ou menor a 9 graus, a busca e acolhimento de pessoas em situação de rua é fortalecida.

Com previsão de mais uma noite gelada, a medida será adotada novamente nesta quarta-feira (17/7). Nos dias em que o frio não é tão intenso, aproximadamente 350 pessoas dormem nos abrigos da Prefeitura.

Procura espontânea

A maioria das pessoas atendidas durante a noite (404) procurou espontaneamente os abrigos, onde podem dormir em camas aquecidos com cobertores, tomar banho quente, receber roupas limpas e se alimentar, à noite e pela manhã. Nos dias de temperaturas mais baixas, as casas de passagem recebem pessoas que buscam acolhimento até as 23h.

As outras 94 pessoas atendidas foram encontradas pelas equipes da FAS, que percorrem toda a cidade para oferecer acolhimento, e aceitaram ser levadas para as unidades.  

Das 18h às 6h, os educadores sociais fizeram 166 abordagens nas ruas, sendo que 146 delas foram solicitadas por meio da Central 156. Em 66 pedidos, as equipes se deslocaram até o endereço indicado, mas não encontraram ninguém.

Apesar do frio, 60 pessoas se recusaram a seguir com as equipes para as unidades de acolhimento e preferiram ficar nas ruas. Cinco pessoas foram levadas até unidade de pronto atendimento por estarem com a saúde debilitada e três que já são atendidas pelo município foram levadas para as unidades que frequentam.

Outras quatro pessoas decidiram voltar para suas famílias e duas foram encaminhados para abrigos onde existem canis, por estarem com cães de estimação.