Curitiba é mostrada como exemplo internacional em redução de mortes por doenças cardiovasculares em artigo assinado pelos médicos cardiologistas João Vitola e Miguel Morita Fernandes-Silva e publicado neste mês no norte-americano Journal of Nuclear Cardiology. O artigo ganhou o título de “Partnership for the goals to reduce CVD mortality: Rowing in the same direction” (em português: “Parcerias para as metas de redução da mortalidade por Doenças Cardiovasculares: Remando na mesma direção”).

Com base nos dados do Sistema de Informação em Mortalidade, da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba, os autores mostraram que nos últimos 20 anos (1996-2016) houve queda progressiva da mortalidade cardiovascular em Curitiba de forma geral, principalmente da mortalidade prematura, que caiu cerca de 50%.

“Curitiba é um modelo para outras cidades quando pensamos mundialmente”, afirma Vitola, que também é presidente da Sociedade Paranaense de Cardiologia. 

Escute o Seu Coração 

De acordo com a secretária municipal da Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak, mesmo com a redução, os desafios continuam. Segundo os dados do Datasus (departamento de informática do Sistema Único de Saúde), em Curitiba, no ano de 2016, as doenças do coração e derrames cerebrais foram responsáveis por 24,2% das mortes dos curitibanos entre 30 e 69 anos de idade. 

Para reduzir ainda mais esses dados, a Prefeitura de Curitiba lançou em 2018 o programa Escute o Seu Coração, com uma linha de cuidado especial que abrange toda a rede de saúde municipal. Esta linha de cuidado estimula estilos de vida saudáveis e a promoção da saúde, a prevenção de doenças cardiovasculares, a melhoria de protocolos na atenção ambulatorial básica e especializada e da assistência na urgência e emergência.

Os primeiros resultados do programa Escute o Seu Coração já podem ser medidos.

De 2016 a 2018, houve a redução de 7,1% de mortalidade prematura (30 a 69 anos) por doenças do aparelho circulatório em Curitiba.

Para Vitola, Curitiba tem feito um progresso expressivo na área. “Curitiba tem sido um modelo para outras cidades do mundo em várias ações para melhorar a vida da população. Na área da saúde não é diferente”, disse ele.

No portal do Escute o Seu Coração, os visitantes podem testar comportamentos e identificar o que precisa ou não ser mudado, informar-se sobre um estilo de vida mais saudável e os serviços oferecidos pela Prefeitura.

Parceria 

Um dos principais pontos abordados pelo artigo publicado pelo Journal of Nuclear Cardiology é a importância das parcerias entre entes públicos e da sociedade civil, com o uso de tecnologia na medicina, trabalhando na prevenção, com diagnósticos precoces, como forma de redução de mortes prematuras por doenças cardiovasculares.

Neste sentido, dentro do programa Escute o Seu Coração, a Prefeitura firmou, em 2018, uma parceria inédita com a Clínica Quanta Diagnóstico por Imagem, que doou dez mil exames escore de cálcio, para diagnóstico precoce de doenças do coração.

“Este exame não existe na rede de saúde e nem nos convênios particulares. É um presente para os curitibanos, para distinguir a nossa cidade como cidade inteligente e preocupada com seu povo”, explicou o prefeito Rafael Greca, no lançamento da parceria.

“As parcerias têm sido muito importante para alinhar nossas propostas e ações para assertivamente atingir uma das metas da gestão, que é a redução ainda maior das mortes precoces por doenças cardiovasculares”, disse a secretária Márcia.

Escore de cálcio 

O escore de cálcio é uma tomografia cardíaca que mede a calcificação existente e identifica possíveis casos de arteriosclerose na fase assintomática. A faixa etária atendida com o exame é dos 40 aos 69 anos, no caso dos homens, e dos 50 aos 69 anos, nas mulheres, considerados pacientes com risco intermediário.

“É um case de sucesso nesta área, um exemplo para o Brasil”, diz Vitola.